Terra das Marias da Fonte ou fontanário - Quelhas

Rectificação Análise & Crítica

Rectificação Análise & Crítica

Rectificação, Análise & Crítica

O João Carlos, mais conhecido literariamente por Quelhas, está para lançar mais uma obra pessoal. Todas as obras estão sujeitas a apreciação do público em geral. E nem sempre podemos estar de acordo com os escritos de cada autor. O Quelhas tem na sua força pessoal e na sua vontade indómita de se superar, o seu ponto forte. As suas vivências familiares são alguns dos pontos que gosta de enaltecer através da escrita. A emoção, a sensibilidade, a paixão, o seu apego à terra, à família, aos amigos, aos seus mestres, e a tudo o que lhe faz sentir diferente é tema para que o Quelhas escreva algo. Esta nova aventura do Quelhas, reflecte, essencialmente, o seu amor e apego à História da sua terra Natal.

A simplicidade das palavras aliada ao sentimento de como descreve os seus pensamentos, fazem do Quelhas um autor único e, sem qualquer perjúrio, podemos afirmar que é um poeta de cariz popular. A sua impetuosidade por vezes é-lhe agreste, dado que em algumas situações não consegue discernir a realidade do sentimento, este último, é pueril e sentido. Com o amor que demonstra à sua terra natal, e com a emoção de como emprega as palavras naquilo que os seus sentimentos querem descrever, podem, nalguns casos, criar-lhe algumas incompreensões por parte de alguns leitores menos atentos.

Quantos grandes nomes da literatura não foram compreendidos em vida? A realidade é que a sua perseverança faz com que não desista de ultrapassar os obstáculos com que se tem deparado ao longo do seu percurso pessoal e literário. E quem somos nós para contrariar a vontade férrea de quem se quer superar?

Adelino Sá

Adelino Sá, Director e redactor do jornal Gazeta Lusófona na Suíça e também é Sindicalista nas Comunidades Portuguesas em Lusern

O meu Site
VC gosta do livro de história da Maria da Fonte!?
sim
mais ou menos
não
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (341 votos)




ONLINE
1






“Um dia quando morrer hei-de dar a vez a uma criança nascer…”

in, "Quelhas" João Carlos Veloso Gonçalves, Inspiração do Compositor, 2006, p. 01.

 

...Um dia irei fazer tudo para que se juntem todos os artistas povoenses, desde o pintor ao poeta e ao jornalista, e fazer uma associação para divulgar as nossas inspirações que estão de certo modo esquecidas no tempo...

in, "Quelhas" João Carlos Veloso Gonçalves, Inspiração do Compositor, 2006, p. 247.

 

Um livro é um reconhecimento que fica aquém,

E se revela no tempo que nunca chega,

Se torna famoso depois da nossa partida para o além…

in, "Quelhas" João Carlos VelosoGonçalves, O livro da criança, 2007, p. 10

 

As crianças são como os rebentos:

Nascem, crescem e permanecem.

Ficam lindos!

Envelhecem e morrem…

in, "Quelhas" João Carlos VelosoGonçalves, O livro da criança, 2007, p. 14

 

Um livro é uma liberdade de expressão, que nos dá direito de dizermos o que sentimos, para te dar testemunho da realidade da vida…

in, João carlos veloso Gonçalves, Terra das Marias da Fonte ou Fontanário, história com histórias..., p. 4

 

"Quelhas" poeta/crítico/escritor/jornalista/repórter, ou melhor, não é coisa nenhuma, é apenas autor dos seus próprios livros e teses em diversos jornais e comunicações sociais!

in, "Quelhas" João carlos veloso Gonçalves, Terra das Marias da Fonte ou Fontanário, história com histórias..., p. 14

 

Gosto de criticar e ser criticado, sendo a crítica construtiva igual à destrutiva, no que diz respeito, apenas, à promoção...

in, "Quelhas" João carlos veloso Gonçalves, Terra das Marias da Fonte ou Fontanário, história com histórias..., p. 18

 

Um livro é um momento, um estilo próprio de aperfeiçoamento de vida, de cultura e de sabedoria, sobretudo de aprendizagem.

in, "Quelhas" João carlos veloso Gonçalves, Terra das Marias da Fonte ou Fontanário, história com histórias..., p. 26

 

Mensagem: Um escritor por mais que medite, escreva e pense, nunca; Jamais se lhe esgotam as palavras. Não é por acaso que ele é um literato e um sábio. Pois enquanto houver letras, ele apenas brinca com elas e não as deixa acabar, simplesmente constrói mais palavras…

in, "Quelhas" João carlos veloso Gonçalves, Terra das Marias da Fonte ou Fontanário, história com histórias..., p. 28

METÁFORAS, A FORCA DA EXPRESSÃO, MENSAGENS